Pages

28 de dezembro de 2010

FHC e o "engavetador geral da União"

21 de dezembro de 2010

Educação no Estado do Rio caminha para colapso.

É bem provável que a Educação Pública do Estado do Rio de Janeiro esteja próxima de um "apagão" por carência de professores. Desde 1997, a SEE/RJ vem sistematicamente fazendo concursos para suprir a falta de professores e não consegue. Apesar do desenvolvimento econômico do país ter melhorado significativamente, o Governo do Estado do Rio de Janeiro, ainda mantém a mesma política de arrocho salarial do governo FHC, quando o crescimento do país minguava 2,3% a.a. Até as prefeituras pagam melhor. Nas regiões metropolitana e serrana, a situação é muito grave. Mas, hoje o que me chamou atenção, foi o fato de que o Estado do Rio superou a renda média do Estado de São Paulo. Vejam o quadro divulgado pelo IBGE:


Como podemos observar, na iniciativa privada, a renda do trabalhador metropolitano do Rio de Janeiro é superior à renda do trabalhador metropolitano do Estado de São Paulo. Por isso, cada vez mais será difícil preencher as vagas, visto que, o salário médio de um professor em início de carreira no Estado do Rio é de R$ 600,00. Em consequência dos baixos salários, os cursos de licenciatura estão com os dias contados; afinal, quem quer ser professor?
No Brasil, professor é uma profissão em extinção. O MEC admite publicamente que é possível ocorrer um apagão no Ensino Médio por carência de professores. Por isso, em 2009, divulgou uma campanha caluniosa contra os professores brasileiros. Vamos ver de novo?



Ah... como deve ser bom ser professor na Alemanha, na França, na Finlândia...
Qual será o salários dos professores nesses países citados na campanha do MEC?

Em 2008, a OIT e a UNESCO haviam publicado o ranking mundial de salários de professores. O Brasil aparecia como no ante-penúltimo lugar. Perdemos apenas para o Peru e a Indonésia. O salário anual médio de um professor na Indonésia é US$ 1.624, no Peru US$ 4.752 e no Brasil, US$ 4.818, o equivalente a R$ 11 mil.

BRASIL
Um brasileiro em início de carreira, segundo a pesquisa, recebe em média menos de US$ 5 mil por ano para dar aulas. No topo da carreira e após mais de 15 anos de ensino, um professor brasileiro pode chegar a ganhar US$ 10 mil por ano.

ARGENTINA
A Argentina paga US$ 9.857 por ano aos professores, cerca de R$ 22 mil, exatamente o dobro do Brasil.

ALEMANHA
Na Alemanha, um professor com a mesma experiência de um brasileiro, ganha, em média, US$ 30 mil por ano, mais de seis vezes a renda no Brasil.

PORTUGAL
Em Portugal, o salário anual chega a US$ 50 mil, equivalente aos salários pagos aos suíços.

COREIA
Na Coreia, os professores primários ganham seis vezes o que ganha um brasileiro.

FINLÂNDIA
Na Finlândia, melhor avaliação de desempenho de alunos do mundo (segundo o PISA), um professor em fim de carreira chega a ganhar US$ 60 mil por ano, o equivalente a R$ 9 mil por mês".


ALUNOS POR TURMA
A OIT e a Unesco dizem que o Brasil é um dos países com o maior número de alunos por classe. Segundo o estudo, existem mais de 29 alunos por professor no Brasil, enquanto na Dinamarca, por exemplo, a relação é de um para dez.

Pois é, a propaganda é linda. Mas, "esqueceram" de dizer o valor do salário do professor nos países mencionados na campanha.

17 de setembro de 2010

A reediçao do golpe militar de 1964

Primeiro foi a reunião secreta do Serra com os militares, e agora, pasmem! mas é verdade. Um novo golpe militar da extrema direita ultraconservadora está sendo articulado contra as conquistas democráticas do povo brasileiro nos últimos 8 anos. Acabo de ler no Forças Terrestres que o Clube Militar, a ABERT e o Instituto Millenium promoverão mais um encontro para discutir e articular ações contra a ameaça à democracia. O encontro reunirá a nata da oposição ao governo Lula: MERVAL PEREIRA e REINALDO AZEVEDO e do Diretor de Assuntos Legais da ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), Dr. RODOLFO MACHADO MOURA.

Fonte: Forças Terrestres

15 de setembro de 2010

E AGORA JOSÉ?

Vejam o que a Veja não publica:

O único candidato a presidente nestas eleições que já assinou medidas para fazer abortos foi José Serra (PSDB), quando foi Ministro da Saúde, em 1998.








E AGORA JOSÉ?


Fonte: Diário Oficial da União e Os Amigos do Presidente Lula

Adeus demo-tucanos

Se Lula for eleito, 800 mil empresários deixarão o país. Amaro Mato, 1989.

Podem ir, mas não se esqueçam de levar os politicantes demo-tucanos de São Paulo.
Para o bem do Brasil o modelo neoliberal FHC/SERRA faliu. Ninguém vai sentir saudades
de vocês. Agora só lhes resta a velha mídia golpista para defendê-los. Mas, o povo estará atento, porque todos nós estaremos juntos nas ruas.

video

O desespero de Serra

Do blog do Luis Nassif

Que essa campanha seria marcada pela baixaria, nós já sabíamos. Mas, com a eleição presidencial praticamente decidida no primeiro turno, Serra está revelando publicamente o seu lado etnocêntrico, tipico de quem não tem argumentos.

PRISCILA TIEPPO
Direto de São Paulo

Em gravação do programa Jogo do Poder, da CNT, o candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, se irritou com perguntas sobre a quebra de sigilos de tucanos e pesquisas e ameaçou deixar a entrevista.

O candidato disse que eles "estavam perdendo tempo falando daqueles assuntos", enquanto podiam dar ênfase aos programas de governo dele. Após a apresentadora Márcia Peltier citar que a quebra de sigilo teria acontecido em 2009, antes do anúncio das candidaturas à presidência, Serra subiu o tom:
- Que antes da candidatura, Márcia? Nós estamos gastando tempo aqui precioso, estamos repetindo os argumentos do PT, que você sabe que são fajutos, estamos perdendo tempo aqui.

Márcia tentou contemporizar, mas não conseguiu acalmá-lo. "A candidata do PT virá aqui?", perguntou. Após a afirmativa de Márcia, ele retrucou: "então, pergunta para ela".

"Agora nós vamos falar sobre programas", tentou prosseguir a apresentadora. Neste momento, Serra levantou-se e ameaçou sair do estúdio. Tentando arrumar o fio do microfone, disse: "eu não vou dar essa entrevista, você me desculpa".

Márcia insistiu dizendo que eles falariam de programa de governo, mas ele se manteve firme. "Faz de conta que eu não vim". "Mas porquê, candidato?", disse, ainda sentada. "Porque não tem nada a ver com pergunta, não é um troço sério. (...) Apaga aqui". "O que o senhor quer que apague?", perguntou Márcia. "Apague a TV pra gente conversar".

Márcia pediu que as câmeras fossem desligadas e as luzes do estúdio apagadas, mas Serra continuou falando: "porque isso aqui está parecendo montado". "Montado para quem? Aqui não tem isso", defendeu a jornalista.

O candidato voltou a reclamar da pauta das perguntas - que até então, havia se fixado nos acessos fiscais e sobre as pesquisas. "Me disseram que eu ia falar de política e economia".

Depois de conversar reservadamente com Márcia e o apresentador Alon Feuerwerker, Serra voltou ao estúdio e respondeu a questionamentos sobre economia, saúde e saneamento básico.

Ao final da gravação, Serra foi questionado pelos jornalistas que estavam no local sobre sua irritação. O candidato negou ter se irritado e afirmou que apenas estava "com estômago ruim" porque não tinha tomado café da manhã.

Segundo a assessoria de imprensa da emissora, as perguntas feitas ao candidatos sobre os assuntos que o incomodaram serão mantidas na edição que irá ao ar nesta quarta-feira (15), às 22h50.

VOU CONFERIR

14 de setembro de 2010

Dilma e a política de Estado

Sem estabilidade política é impossível continuar avançando. Portanto, é importante que a Dilma seja eleita para que amadureça a política de Estado engendrada por Lula.
FHC/SERRA governaram 8 anos o Brasil e consolidaram a imagem no exterior de total submissão aos interesses de Washington. FHC viajou também viajou muito, passou quase 01 ano de seu governo no exterior; no entanto, não conseguiu abrir sequer uma porta para nossas exportações.
SERRA é um retrocesso no processo de soberania da nação brasileira, visto que, indubitavelmente, adotará a mesma política externa tupiniquim do FHC.



"a foto de Fernando Henrique Cardoso, postado dois degraus abaixo de Bill Clinton, que lhe apoia as mãos enormes sobre os ombros, em sinal de tolerante proteção e imponência inescapável. O americano sorri, condescendente. O brasileiro gargalha. O presidente que atrelou o Brasil ao mando neoliberal e o quebrou três vezes revela um misto de lisonja e encantamento servil. A alegria de ser notado. Admitido no clube dos senhores, por um escasso instante." Mino Carta

20 de agosto de 2010

REVOLUÇÃO MEXICANA

Um dos aspectos que mais chama a nossa atenção no estudo da Revolução Mexicana é a carência de idéias. De construções ideológicas que aparelhassem os revolucionários na conquista do poder. Quando a Revolução eclode, entre 1910-11, observa-se que seus argumentos ideológicos expostos pelos militantes antiporfiristas são extraídos do liberalismo burguês: alternância do poder, rotatividade no executivo, eleições periódicas e honestas, legislativo autêntico e judiciário independente. Este programa (que foi esboçado pelo Plano de San Luís de Potosi, outubro de 1910) convivia desconfortavelmente com outro, emergido das bases camponesas, e expressadas principalmente por Zapata que exigia uma reforma agrária que restaurasse ao ejidos.

Desgraçadamente faltou para as lideranças camponesas um instrumental ideológico que ultrapassasse a simples luta pela terra e se configurasse numa luta pelo poder político.

Com suas palavras, responda:

1 - Que tipo de classificaçao podemos atribuir ``a revolução mexicana?

2 - O que provocou o choque entre Madero e Zapata?

3 - Explique como ocorreu fim das lideranças camponesas?

Fonte: http://www.algosobre.com.br/historia/revolucao-mexicana.html

12 de agosto de 2010

O Terror Atômico

Em Agosto de 1945 os Estados Unidos da América entraram para a história mundial por ser a primeira e única nação a despejar o terror atômico sobre enormes populações de civis. Com a II guerra mundial praticamente acabada e sem ter podido justificar o gasto de 2.6 bilhões de dólares no Projeto Manhattan (projeto de construção da bomba atômica), Harry Truman busca oportunidades para jogar uma, ou quem sabe até mais, de suas bombas envenenadas sobre cidades inimigas e demonstrar ao mundo o tamanho do poder que os Estados Unidos detinham na mão.


Com sua palavras, responda:
PROIBIDO "COPIAR" E "COLAR"

1 - As bombas atômicas foram um ato de guerra ou uma ação terrorista?

2 - Algumas pessoas podem achar que é eticamente válido fazer uma distinção entre vidas do nosso lado e vidas do outro lado: as pessoas do lado de cá seriam mais preciosas, mais merecedoras de viver do que as do lado de lá. Portanto, podemos matar vinte deles para salvar um dos nossos. Você concorda?

20 de março de 2010

FSP continua ignorando greve

O Jornal Folha de São Paulo, aquele " a serviço do país". continua ignorando a greve dos professores da Rede Pública de Ensino do Estado de São Paulo. No entanto, destaca o protesto dos camisas vermelhas lá na Tailândia. Veja nos screenshots:

Caderno Mundo - 20 de março de 2010



Caderno Educação - 20 de março de 2010

16 de março de 2010

A Greve Fantasma

Os professores do Estado de São Paulo, estão mobilizados na maior greve na história da categoria. Você sabia? Pois é. No Brasil, mesmo com o advento da Internet, o acesso à informação, ainda é monopolizado. Por isso, é difícil encontrar pessoas bem informadas.
Para proteger o Serra, os grandes meios de comunicação simplesmente não dizem nada sobre a greve.
Que tipo de democracia a grande mídia quer para o Brasil?




15 de março de 2010

A greve que o Brasil precisa conhecer



Fax nº25 – 05/03/2010 PELA DIGNIDADE DO MAGISTÉRIO E PELA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO

Professores aprovam greve por tempo indeterminado Reunidos em assembleia na Praça da República na sexta-feira, 5, mais de 10 mil professores aprovaram greve por tempo indeterminado, a partir de segunda-feira, 8. As principais reivindicações da categoria são: reajuste salarial imediato de 34,3%; incorporação de todas as gratificações, extensiva aos aposentados; plano de carreira justo; garantia de emprego; contra as avaliações excludentes (provão dos ACTs/avaliação de mérito); revogação das leis 1093, 1097, 1041 (lei das faltas); concurso público de caráter classificatório; contra a municipalização do ensino, contra qualquer reforma que prejudique a educação, em todos os níveis. Da assembleia também participaram representantes dos diretores de escola e supervisores de ensino, que decidiram, em suas instâncias, entrar em greve em conjunto com os professores. O Magistério paulista, com esta decisão, deu um BASTA aos desmandos do governo Serra. Os professores aprovaram ainda o calendário de mobilizações (leia quadro), com a realização de uma nova assembleia na sexta-feira, 12, no vão livre do Masp, na avenida Paulista. As subsedes devem realizar, na quinta, 11, assembleias regionais. Governo afronta categoria Praticamente às vésperas da assembleia, o governo do Estado anunciou, com estardalhaço, a incorporação da Gratificação por Atividade de Magistério (GAM) em três parcelas, a serem pagas em 2010, 2011 e 2012. A proposta é uma afronta e um desrespeito. Para se ter uma ideia, , até 2012 o salário-base do PEB II em jornada de 24 horas, terá um acréscimo salarial de apenas R$ 6,47. Não queremos esmolas! Queremos reajuste salarial e a real valorização do Magistério. Sem contar que inúmeros professores aposentados já ganharam na Justiça, em ação movida pela APEOESP, o direito de incorporação total da GAM. Este governo gasta milhões em propagandas no rádio e na TV para apresentar mentiras à população. Onde estão as escolas com dois professores? Onde estão os laboratórios de informática abertos nos finais de semana com monitores? Temos de dar uma resposta à altura, chamando os pais dos alunos para conhecer nossas escolas, para que possam comparar com a “escola de mentirinha” que Serra mostra na televisão. Matéria paga As entidades do Magistério veicularão matéria paga na Rede Bandeirantes, no intervalo do “Brasil Urgente” – entre 17h30 e 18h50 – na próxima quarta-feira, 10. Em anexo, segue carta à comunidade escolar – pais e alunos – explicando o porquê de nossa greve. A carta deve ser reproduzida pelas subsedes. É importante também que as subsedes circulem com carros de som, denunciando os desmandos do governo e explicando as razões da greve da categoria. Calendário de mobilização Dia 8 de março: conversa com a comunidade escolar Dias 9 e 10: visita às escolas Dia 11: assembleias regionais Dia 12: assembléia estadual no vão livre doMasp, na avenida Paulista, às 15 horas

10 de março de 2010

Já vai tarde.


Finalmente chegou o dia. Adeus Gilmar Mendes.
Engraçado, a estupidez de gente arrogante como o GM. Na sua cabeça pequena, o exercício do poder nesse paroxismo narcisista, deve ter-lhe dado um enorme prazer, o ego deve ter ido às alturas. Me pergunto, se tem noção do lugar obscuro que lhe garante a História, juíza que pode tardar um pouquinho às vezes, mas é implacável com os fatos, quando “a poeira assenta” e as coisas todas se revelam verdadeiramente, já sem a influência do “poderoso de plantão”. Para quem é pequeno, mas pequeno com todas as letras minúsculas, os salões, as recepções, os tapinhas nas costas, o medo que impõem aos outros, as bajulações, o afago da mídia mais corrompida, é o pobre prêmio que levam naquele período estelar. Não pensam grande, não pensam com o caráter, com a perspectiva histórica de deixar um legado ao páis que deveriam servir. FHC e GM estão entre os proeminentes, na minha opinião, desse triste e patético exemplo. Tinham tudo para brilhar, para enriquecer o Brasil e, como “acessório de luxo”, enriquecerem junto, suas biografias. Nem um, nem outro. O ostracismo os espera…

8 de março de 2010

O bota-fora do Amato em 89, e a coalizão lulista hoje



Dia desses, eu escrevi aqui que a oposição cerrada a Lula (e a Dilma) não vem dos grandes capitalistas. Essa talvez seja uma diferença importante em relação a 64. Naquela época, como hoje, a coligação reacionária envolvia “grande imprensa”, latifundiários, Igreja e classe média que marchava com Deus e pela Liberdade. Naquela época, os empresários (grandes e pequenos) estavam apavorados. Havia a Guerra Fria e o fantasma do “comunismo”. O velho partidão (PCB) acreditava numa ilusória aliança com a “burguesia nacional”, para sustentar Jango e as reformas. Mas a burguesia tinha outros planos, e implorou pelo golpe – que veio. Saltemos 20 anos. Na década de 80, no PT, o grande debate era: como atrair a “classe média” e os pequenos empresários para a coligação de esquerda. O petismo (e eu acompanhava bem de perto esse debate) acreditava que, pra governar, era preciso agregar, aos setores mais organizados da classe trabalhadora (sindicatos, associações de bairro, estudantes, CEBs etc), as tais “camadas médias urbanas”. Em 89, essa aliança não ocorreu. Lula teve no primeiro turno os votos dos “setores organizados”. No segundo, ganhou parte da “massa desorganizada”, ou do “lúmpen” (como, de forma arrogante, alguns petistas se referiam ao povão das periferias), graças ao apoio decisivo de Brizola – transferindo “todos” os votos no Rio e no Rio Grande do Sul. O grande empresariado também fugiu de Lula e do PT. Mario Amato, da FIESP, falava que milhares de empresários iriam embora do país se Lula ganhasse. O que levou alguns amigos gaiatos, da USP, a organizar uma grande festa entre o primeiro e segundo turno: foi o “bota-fora do Mario Amato”, na casa do Pedro e do Álvaro Puntoni (QG das “nossas” grandes festas naquela época em São Paulo). Em 94 e 98, empresários e classe média ficaram com os tucanos. Além de boa parte do povão “desorganizado”, que fora favorecido pela estabilidade do Real. Pois bem. Em 2002 e 2006, Lula conseguiu uma aliança que não tem nada a ver com as “tradições petistas” de “agregar a classe média”. Lula fez uma aliança inesperada, incluindo “setores organizados”, povão desorganizado e o grande empresariado. A classe média ficou fora. E continua de fora. É ela que baba de raiva nas “correntes da internet”, e nas ruas e bares paulistanos, cariocas e gaúchos. Essa classe média não suporta olhar para a cara de Lula, o “nordestino dos 4 dedos”. E o grande empresariado? Esse vota com o bolso. Pensei em tudo isso ao ler o artigo de Emilio Odebrecht, que me foi enviado por uma boa amiga jornalista, dessas que trabalham na “grande imprensa”, mas sabe muito bem que não é “sócia” dos patrões (nem nos lucros, nem no pensamento). O artigo do Odebrecht expressa a perplexidade de um grande empresário diante de uma imprensa que caiu no gueto. Uma imprensa que fala (só) para essa classe média raivosa que parece não gostar do Brasil, uma imprensa que não reconhece os avanços do país. O artigo de Odebrecht (a quem conheço só de nome) é o símbolo dessa estranha (mas efetiva) aliança lulista: “classe trabalhadora organizada”, “povão desorganizado” e “grandes capitalistas”. Quem está fora da “grande coalizão” é a classe média, associada aos ruralistas e aos donos da mídia. Essa base votará em Serra aconteça o que acontecer. O nó para Serra é: como atrair parte dos lulistas sem desagradar à direita que baba na gravata? Isso é problema do Serra. 21 anos depois daquela eleição (vencida por Collor, no fim das contas), a gente não poderia mais organizar “bota-fora” pro presidente da FIESP e pros grandes empresários. Em 89 era tudo mais divertido. Mas, em 2010, temos um país mais sólido. Apesar dessa turma que baba na gravata de tanta raiva. Pra espanto seu, meu. Pra espanto, também, do Emílio Odebrecht.

=== A IMPRENSA E O NOVO BRASIL – por Emílio Odebrecht
No final do ano passado, a revista "The Economist" brindou-nos com uma matéria de capa cujo título era: "O Brasil decola". A reportagem chama nosso país de maior história de sucesso da América Latina. Lembra que fomos os últimos a entrar na crise de 2008 e os primeiros a sair e especula que possamos nos tornar a quinta potência econômica do globo dentro de 15 anos. Não é apenas a revista inglesa que vem falando dos avanços aqui obtidos nos campos institucional, social e econômico nas últimas décadas. Somos hoje referência no mundo e um exemplo para os países em desenvolvimento, vistos como uma boa-nova que surge abaixo da linha do Equador. Diante disto, me pergunto se a imprensa brasileira está em sintonia com a mundial -que aponta nossos defeitos, mas reconhece nossos méritos.Tal dúvida me surge porque há um Brasil que dá certo e que aparece pouco nos meios de comunicação. Aparentemente, o destaque é sempre dado ao escândalo do dia. Isso deixa a sensação de que não estamos conseguindo explicar aos brasileiros o que a imprensa internacional tem explicado aos europeus, norte-americanos e asiáticos. Tornar públicas as mazelas é obrigação da imprensa em um país livre. Mas falar somente do que há de ruim na vida nacional, dia após dia, alimenta e realimenta a visão negativa que o brasileiro ainda tem de si. Se as coisas por aqui caminham para um futuro mais promissor, é porque, em vários âmbitos, estamos fazendo o que é o certo. Para líderes políticos, empresariais e sociais dos países que precisam encontrar o caminho do progresso, conhecer nossas experiências bem sucedidas pode ser o que buscam para desatar os nós que ainda os prendem na pobreza e no subdesenvolvimento. O fato é que, ficando nos estreitos limites do senso comum, a sensação é de que a imprensa, de uma forma geral, considera o que é bem feito uma obrigação -não merecedor, portanto, de ocupar espaços editoriais, porque o que está no plano da normalidade não atrairia os leitores. Ocorre que o que acontece aqui, hoje, repercute onde antes não imaginávamos. Por outro lado, há uma mudança cultural em curso na sociedade brasileira e a imprensa tem um papel preponderante nesse processo. O protagonismo internacional do Brasil e nossa capacidade de criar novos paradigmas impõem que a boa notícia seja tão realçada quanto são os fatos que apontam para a necessidade absoluta de uma depuração de costumes que ainda persistem em nossas instituições.


Fonte: Rodrigo Viana

6 de março de 2010

Professores de São Paulo anunciam greve

A Apeoesp, sindicato dos professores da rede estadual de São Paulo, anunciou na tarde desta sexta-feira (5) que a categoria entrará em greve por uma semana, a partir do dia 8 de março. Entre outros pontos, a categoria reivindica 34,3% de reajuste salarial.

A decisão foi tomada durante assembleia, que contou com 10 mil profissionais de cinco categorias, na praça da República, região central da capital paulista, desde às 15h. A Polícia Militar, no entanto, diz que cerca de 5.000 pessoas participaram da manifestação.
O grupo criticou a forma como o governo propôs a incorporação da gratificação por atividade de magistério: três parcelas anuais - segundo eles, o salário dos docentes de 1ª a 4ª série sofrerá um acréscimo de 0,27% e o dos da 5ª série do fundamental ao ensino médio aumentará 0,59%.

Na noite desta sexta-feira, a Secretaria de Estado da Educação afirmou, em nota, que a greve tem "decisão política". A secretaria afirma que a Apeoesp "contesta todos os programas de evolução educacional", o que prejudica as reivindicações.

Ainda em nota, o governo diz esperar que a categoria, "a exemplo das tentativas anteriores da Apeoesp, não vai se mobilizar" para entrar em greve na semana que vem.

A expectativa do sindicato é que três professores por período escolar paralisem suas atividades, o que afeta até 50 mil educadores em todo o Estado.

Uma nova assembleia será feita no dia 12 de março para verificar se os professores voltam ou não a dar aulas - uma passeata está marcada para acontecer na avenida Paulista, na zona central da cidade.

Fique por dentro:


* Professores e governo brigam na Justiça


* Categoria protesta contra avaliação

Fonte: R7

5 de março de 2010

Mídia contra Cuba: mártir ou delinquente?



A morte do Orlando Zapata, ocorrida durante a visita do presidente Lula a Cuba, desencadeou nova onda de terrorismo midiático contra a revolução cubana – e, de quebra, contra a política externa do governo brasileiro.

Boris Casoy, o âncora da TV Bandeirantes que é “uma vergonha do jornalismo nacional”, só faltou chorar o falecimento do “dissidente” e fez histéricos ataques ao “ditador” Raul Castro e ao presidente Lula. Na mesma linha, Willian Waack, da TV Globo, criticou as prisões em Cuba, mas nada falou sobre as torturas na base militar ianque de Guantánamo. Os editoriais dos jornalões tradicionais também estrebucharam.

O vídeo acima, produzido em espanhol, revela que Orlando Zapata não tem nada de mártir ou dissidente político. É um delinqüente comum que a mídia hegemônica tentou transformar em herói. Mais um capítulo da guerra psicológica contra a revolução cubana, fabricada nos laboratórios da CIA nos EUA e difundida pela mídia colonizada no mundo inteiro.

(*) Publicado originalmente no blog do Miro.

21 de fevereiro de 2010

Serra: fortemente blindado pela mídia


Outro Demo é kassado. E se fosse um prefeito do PT? E agora, José?


José Serra está lascado, e eu vou dizer por quais motivos:


Primeiro, um quase vice seu se envolveu no mais tenebroso esquema de corrupção deste país.


Segundo, o vice deste quase vice de José Serra já, já cai.


Por fim, um aliado seu de primeira hora, que pegou a prefeitura de São Paulo de mão beijada, depois da desfeita da promessa feita por José Serra de governar a cidade até o fim do mandato, foi cassado, por ter recebido mais de R$ 10 milhões de doações ilegais.

Morre soldado que içou bandeira no Reichstag

No dia 17, morreu aos 93 anos na república russa do Daguestão Abduljakim Izmailov, um dos soldados que içaram a bandeira da União Soviética sobre o prédio do Reichstag, em Berlim, em maio de 1945.
A foto, é o símbolo da fim da Segunda Guerra Mundial na Europa.
Com certeza, a foto foi tirada alguns dias depois da vitória do Exército Vermelho sobre a Wehrmacht.

17 de fevereiro de 2010

Dilma no Flickr




Clique aqui para acessar o FLICKR da Dilma no carnval 2010.

16 de fevereiro de 2010

Serra fugiu do carnaval de SP. Por que, hein?!

Serra fugiu do carnaval de São Paulo e foi parar lá nordeste. O que faz o governador do Estado de São Paulo lá no nordeste? Campanha!
Ele sabe, que lá no Brasil pobre e esquecido, só o Serra conhece ele mesmo.



Mas, enquanto isso, no Sambódromo do Rio, a Dilma vai se transformando na nova paixão nacional. Não resistiu e caiu no samba com um gari que lhe ofereceu uma vassoura.
Xi. Seu o neonazista Boris Casoy ver isso...

15 de fevereiro de 2010

É bandido mesmo!

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda(DEM, ex-PFL), foi acusado, em 2001, de violar o painel do Senado na votação da cassação de Luiz Estevão, com Antônio Carlos Magalhães.
No início, Arruda negou as acusações com um discurso incisivo na tribuna do Senado. Dias depois, voltou à tribuna para admitir culpa. Para não perder mandato, Arruda e ACM renunciaram.
Arruda voltou ao Congresso como deputado em 2002 e se elegeu governador do Distrito Federal em 2006.
Arruda começou a vida pública na Novacap (Companhia Urbanizadora da Nova Capital), na década de 70. Foi diretor da Companhia Energética de Brasília (CEB), em meados dos anos 80. Assumiu a chefia de gabinete do governador Joaquim Roriz e foi secretário de obras do Distrito Federal.
Em 1994, foi eleito senador.
Abaixo vídeo do Arruda mentindo e admitindo que fraudava as votações.

Mídia protege Serra

Há algumas semanas, o blogueiro Luis Nassif adverte para um fato grave que continua ignorado pela mídia golpista. “Duas investigações em andamento – a Operação Castelo de Areia e o caso José Roberto Arruda – estão batendo direto no sistema de financiamento de campanha do governador José Serra... Não é nada trivial. Não se trata de denúncias de oposição, de suspeitas, mas de investigações policiais calcadas em provas, depoimentos de testemunhas, documentos”.
No final de dezembro, a revista CartaCapital confirmou a existência da “conexão Serra-Arruda”, como Nassif batizou sua descoberta. Ela revelou que o administrador de empresa Ailton de Lima Ribeiro, “homem de confiança de José Serra”, é um dos envolvidos no escândalo do “mensalão do DEM”. Filiado ao PSDB, Ribeiro trabalhou com Serra no Ministério da Saúde e na prefeitura de São Paulo. Na sequência, prestou serviços ao prefeito demo Gilberto Kassab. Desde março de 2009, ele era um colaborador íntimo de José Roberto Arruda, o governador do Distrito Federal.

11 de fevereiro de 2010

Se a Bandeirantes fosse uma empresa séria...


...teria demitido o Boris Casoy a muito tempo


Encontro de Serra com Madona produziu... o nada!


Encontro de Serra com Madonna, produziu... O nada!
Responda rápido: Que pode surgir de um encontro do vazio com o oco? Ora, do nada só pode surgir o nada.
Nesta quarta (10), o vazio pop de José Serra encontrou-se com o oco político de Madonna. Que resultou da reunião? Patavina.

Madonna foi a Serra a pretexto de expor o tabalho de sua ONG, Success for Kids, que atua em São Paulo. E daí? Nada.
Ficou-se sabendo apenas que Serra acha o trabalho “muito interessante porque é voltado à elevação da auto-estima das crianças”.
De resto, descobriu-se que Serra Em entrevista, Serra achou Madonna “descontraída e bem humorada". Ela lhe pareceu “mais jovem de perto".
Serra não é propriamente um fanático do universo da música pop. Contou, porém, que já assistira ao filme “Corpo em Evidência”.
Estrelada por Maddona, a fita contém tórridas cenas de sexo sadomasoquista. O governador dispunha, portanto, de base comparativa.
Ah, sim, Serra também contou aos repórteres uma passagem da audiência, que ocorreu a portas fechadas.
“Numa hora”, relatou Serra, “alguém perguntou ‘o que a senhora quer da vida? Qual é a coisa mais importante para sua vida?’”
“Eu quero ajudar a humanidade. Principalmente as crianças”, Madonna respondeu. E daí? Nada, a não ser o fato de Serra ter considerado a contora “muito sincera”.
O encontro durou cerca de uma hora. Lero vai, lero vem, Serra presenteou Madonna com o livro "Roupa de artista - o vestuário na obra de arte".
Foi editado pela Imprensa Oficial de São Paulo e pela Editora da USP.
A mulher de Serra, Mônica, deu a Madonna um segundo presente: o “colar da vida”, símbolo do combate ao câncer de mama.
No mais, Serra convidou Madonna para assistir, no sábado, ao desfile das escolas de samba paulistas. Informou que, em São Paulo, a coisa começa antes do Rio.
Madonna não deu certeza. De volta para o Rio, disse que, a partir da noite de sexta, não poderia viajar. Por quê? Respeita o shabat, repouso semanal dos judeus.
Assim, afora as poses registradas em fotos e vídeos e as avaliações de Serra sobre a jovialidade de Madonna, tudo se reduz a nada.
Atrás da passagem da estrela pelo palácio não restaram senão as pegadas do vácuo, impressas no vazio estéril de um encontro inútil.
Escrito por Josias de Souza às 21h17
Folha de São Paulo, 10 de fevereiro de 2010

Mais uma pérola do governador(?) Serra

A quantos anos o PSDB(Pior Salário do Brasil), governa São Paulo?
Quantas vezes o PSDB(Pior Salário do Brasil), prometeu acabar com as enchentes na capital da Chuíça brasileira?
No vídeo abaixo, fica evidente o desconforto do governador Serra quando é questionado sobre o antigo problema das enchentes em São Paulo e, para distrair a atenção dos eleitores, passa cantada em apresentadora.

"Opus Dei"



Madona descartou ser a vice do José Serra, mas vai apoiar a campanha da imprensa para beatificá-lo.

9 de fevereiro de 2010

Enquanto isso, no QG da Tucanada...

Com certeza eles já estão sabendo que na divulgação das próximas pesquisas, a Dilma aparecerá empatada com Ferra, digo, Serra. Por isso, o desespero da "elite" política do Brasil.

1 de fevereiro de 2010

E se fosse o Lula... Lucia Hippolito bêbada.

Lucia Hippolito, blogueira do jornal O Globo e comentarista política da CBN, é mais uma "jornalista" que vestiu a camisa da campanha Ferra digo, "Serra 2010".
Transmissão ao vivo da rádio CBN. Ouçam: